Notícias

Voltar

CGD no Grupo para a Integração dos Sem Abrigo

Fotografia

Esta integração no GIMAE faz parte da estratégia de Sustentabilidade da Caixa para o Triénio 2018/20, com foco no contributo para o “Elevador Social” e, em concreto, para inclusão sócio económica e combate à pobreza de cidadãos,

Fonte: Jornal Económico
Data: 26.03.18
Autor: Maria Teixeira Alves 
Fotografias: 

A Caixa Geral de Depósitos integra a partir de agora o Grupo de Implementação, Monitorização e Avaliação da Estratégia (GIMAE) para a Integração das Pessoas em Situação de Sem-Abrigo 2017-2023, no âmbito da Estratégia Nacional para a Integração das Pessoas em Situação de Sem Abrigo (ENIPSSA), anuncia a instituição em comunicado.

“De acordo com a estratégia de Sustentabilidade da Caixa para o Triénio 2018/20, com foco no contributo para o “Elevador Social” e, em concreto, para inclusão sócio económica e combate à pobreza de cidadãos, a CGD considera da maior relevância a sua integração neste Grupo que permitirá promover respostas destinadas a facilitar a integração social destes cidadãos; reforçar a atuação da Caixa nesta população mais fragilizada; estabelecer parcerias e partilha de conhecimentos e sinergias, de forma a conhecer o fenómeno das pessoas em situação de sem-abrigo e/ou em limiar de pobreza, sem esquecer a reflexão e partilha de informação e boas práticas entre as entidades envolvidas”, avança a Caixa.

“Esta participação da Caixa surge após convite do presidente do Instituto da Segurança Social, Rui Fiolhais, e da Coordenadora do GIMAE, Sofia Borges Pereira, aquando do primeiro encontro dos Núcleos de Planeamento Intervenção Sem-Abrigo (NPISA), que decorreu na Fundação Caixa – Culturgest e que contou com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José António Vieira da Silva, e dos presidentes do Conselho de Administração e da Comissão executiva da CGD, respetivamente, Emílio Rui Vilar e Paulo Moita de Macedo”, lê-se no comunicado.

O GIMAE, coordenado pelo Instituto da Segurança Social, é composto por 29 entidades públicas e ou com capital público e 5 entidades privadas, num total de 34 entidades. Tem por objetivo promover e acompanhar o desenvolvimento da estratégia, garantindo a mobilização do conjunto dos intervenientes de forma a assegurar quer a implementação da estratégia, quer a monitorização e avaliação de todo o processo.